Os convites!

É verdade, está na hora de começar a impressão. Tivemos a sorte de várias pessoas aderirem à nossa idéia cervejeira!

Tons de lavanda e a nossa adorada flor de lúpulo fazem então as delícias dos nossos convites: simples, elegantes e lindos! A designer foi de encontro ao que pretendíamos de imediato. E, assim, tudo se liga e tudo faz sentido.

Sabemos que podíamos dar menos uns trocos pelos convites, porém aqui a vontade de ter algo realmente diferente venceu! E é, sem dúvida, inovador!

Advertisements

Tema de casamento

É uma das primeiras coisas sobre as quais pensámos. Um tema!

Aliar o romantismo, com os gostos do casal e toda uma festa à volta de um tema nem sempre é fácil, mas é muito divertido de se fazer.

Das duas opções escolhemos: Cerveja Artesanal. É algo que fazemos enquanto casal, ambos adorámos cerveja e, sinceramente, dá-me um gozo terrível fazer toda a parte da decoração, lembranças e planos à volta desta bebida! E para cereja no topo do bolo: Fui pedida em casamento no Porto Beer Fest, nos jardins do Palácio de Cristal. (Nada que não soubesse, já estávamos a planear o assunto, mas não deixa de me encher de orgulho.)

Depois lá vêm as trocas de idéias, o brainstorming, as lembranças, as flores. Devo admitir que me tem dado um certo gozo a novidade do tema, pois não é muito recorrente. Adoro sentir que estou a arranjar novos desafios às designers, decoradoras e floristas por aí. Ensinar algo novo e partilhar conhecimento.

Não minto: nem tudo é fácil, personalização leva dinheiro ou muito esforço dos noivos, porém é aqui que fazemos do nosso casamento mesmo nosso! Em breve partilharei aqui um moodboard para inspiração, para todos aqueles que quiserem arriscar neste tema!

Cheers 🙂

Cerimónia civil ou religiosa? Serra do Pilar.

É das primeiras questões a tratar:

1 – Queremos uma cerimónia civil apenas?

2 – Espera lá, até não sou muito religioso, mas quero celebrar uma missa…

3 – O que preciso afinal?

 

Várias questões devem ser respondidas e é a primeira coisa a tratar. Se for apenas civil, trata-se do assunto, combina-se o dia e um local. No entanto, a igreja já pede mais burocracia, porque primeiro devemos tratar de casar até 6 meses antes no civil (se não perde validade) e segundo temos de tratar de uma série de papéis e do CPM.

No nosso caso, devido aos valores que nos foram incutidos, achámos por bem realizar a celebração religiosa. Não somos as pessoas mais praticantes à face da terra, porém, é uma tradição que faz todo o sentido no nosso seio familiar, é a crença de que algo simbólico e muito real acontecerá.

Ora e é aqui que começa outra aventura: Toca a casar na Serra do Pilar.

1ª sugestão – marquem com mais de um ano de antecedência (muito concorrido)

2º – Vão arranjando um Padre, pois como pertencem à paróquia do Candal, não há nenhum Padre “atribuído”. Ele vai ter de assinar um papel para entregarem no Candal e a outra metade na Serra do Pilar, em como se compromete a realizar o vosso casamento.

3º – Têm de falar com o Padre da freguesia da noiva: ele vai dizer que 6 meses antes (não mais, se não expira) têm de tratar da parte burocrática no civil e fazer o CPM (Este ponto varia entre Padres)

Muito trabalho, muito dinheiro empregue. Dois meses antes temos de pagar 250€ na Serra do Pilar, fora as restantes despesas de processos. A decoração fica a cargo das senhoras e os noivos pouco voto têm no assunto (menos uma preocupação, sinceramente).

Há medida que o tempo for avançando, vou atualizando a aventura 🙂

 

É tudo uma questão de listas…

Quando se começa a planear um casamento, toda a ajuda é boa.

Eu comecei-me a guiar por sites de referência: Casamento.pt ou a Zankyou são boas fontes de inspiração e com vários guias de fornecedores. As listas que estão nos sites são óptimas e os fóruns estão cheios de boas pessoas que dão as mais diversas opiniões e sugestões.

Há duas coisas a fazer mal ficámos noivas:

1º Marcar a celebração religiosa (se for numa igreja, principalmente concorrida convém marcar com um ano)

2º Começar a ver Quintas – Há quintas totalmente cheias na época alta com um ano e meio de antecedência.

Foram dias infindáveis e Sábados cheios. Com marcações de duas em duas ou três em três horas de reuniões, visitas, apresentação de menus e preços. Para ajudar à festa, ainda tinha dias da semana com marcações às 18h30. Só assim deu rendimento e uma decisão rápida, visto que nem todas fazem pré-reservas e as mais concorridas são ou as mais bonitas ou as mais em conta do ponto de vista preço-qualidade.

Um bloco e umas listas, além de uma agenda, ajudam bastante em todo o processo. Definir prazos e orçamentos vão facilitar as 1000 decisões a tomar. E acima de tudo: Nunca pensem no casamento para os outros, façam como desejam, pois quanto mais dermos o casamento às opiniões alheias, menos romântico será para nós (sempre com moderação, claro!).

 

Um Feliz ano 2017 a todos aqueles que estão nesta aventura!

 

Este ano é o ANO.